evolucao-personagem-TOS-r2pg

Um pilar dos jogos de RPG, sejam virtuais ou de mesa, é a evolução dos personagens, o que acontece por meio de acumulo de Pontos de Experiência que são trocados por níveis, habilidades ou simplesmente aumento de atributos. É um elemento em comum em praticamente todo jogo de RPG, e as vezes é um pouco complicado de se lidar.

Nas campanhas normalmente somos recompensados com pontos de experiência ao fim de cada sessão, e esses pontos que recebemos são referentes ao que fizemos na sessão: inimigos derrotados, desafios superados, ações memoráveis e por aí vai.

Caindo do cavaloAté aí consideramos normal, mas as vezes fica um pouco difícil de engolir, por exemplo, a sessão inteira se passa dentro de um barco, os aventureiros enfrentas algumas bestas marinhas e acabam subindo de nível (em sistemas d20), e então o jogador subir sua perícia de cavalgar, apesar de fazer um mês que ele nem vê um cavalo? Claro, o sistema permite, porque não? Mas porque não abordar isso de uma maneira mais realista e fazer com que seus jogadores evoluam naquilo que viveram e aprenderam de verdade dentro do jogo? Não acham que assim se tornariam mais completos e reais?

Eu creio que exigir que os jogadores só subam habilidades (pericias, talentos, atributos, disciplinas e o que for) quando elas são exercitadas torna os personagens um reflexo do que viveram e do aprenderam na jornada, e isso deixa o jogo bem mais rico. Continuando com o exemplo acima, se o mestre exigir que sejam colocados seus pontos de pericias em habilidades que ele possa ter treinado ou aprendido dentro do barco, alguns vários anos de campanha depois uma dessas pericias pode salvar a vida do jogador ou uma ótima história para explicar porque ele tem pontos em “conhecimento: navegação”, ou “profissão: pescador”.

O mesmo vale para sistemas de compra de pontos como 3d&t, storyteller, GURPS e por aí vai. Porque evoluir minha resistência/vigor se nas últimas sessões não fiz nenhum grande esforço físico como correr grandes distancias ou fui seriamente ferido, nem fiquei treinando com um monge que me cobriu de porrada? Como comprar pericia com armas brancas se não manuseei nenhuma?

O ideal seria que para se adquirir novas competências, elas sejam estudadas ou ensinadas e treinadas.

– Mas todas novas habilidades precisam de treinamento ou ler um livro para aprender? E quanto tempo tem que se gastar para aprender uma nova competência??

Treino Kendo

O bom senso é a melhor ferramenta numa dessas horas, se seu personagem já é treinado com a espada, possui o talento foco em arma, caso ele queira comprar acuidade com arma, ataque poderoso, sucesso decisivo aprimorado entre outros relacionados ao uso da sua espada em combate não tem necessidade de estudo ou treino, apesar de que não lhe faria mal.

Agora se esse mesmo PJ desejar comprar ambidestria é claro que ele precisara treinar sua mão inábil e isso pode levar um tempo, e uma vez com ambidestria não há necessidade de exigir treino para comprar combater com duas armas e suas sequencias. E novamente se torna incoerente um PJ com combater com duas armas que vem utilizando apenas uma arma ou uma arma de longo alcance que use as duas mãos comprar uma sequência para esse talento já que não vem utilizando essa habilidade em combate.

Sobre as horas depende da capacidade que se deseja aprender e a dificuldade. Outros fatores importantes são os pessoais:

  • Inteligência do personagem: Personagens inteligentes aprendem mais rápido.
  • Capacidades: outros atributos podem estar relacionados ao que se vai aprender, por exemplo, escalar em D&D, se o personagem tem força alta, pericia equilíbrio, usar cordas ou qualquer habilidade relacionada ao que deseja aprender.

E os circunstancias:

  • Presença de um mentor: quanto maior a inteligência e capacidade do mentor melhor.
  • Livro ou instruções escritas: não é tão influente quando a presença de um mentor mas pode servir para aprender pericias que exijam treinamento.

A presença desses elementos reduz de forma bem expressiva o tempo necessário para aprendizado de uma capacidade nova.

NarutoDependendo da habilidade pode-se exigir entre 1hora e alguns meses para o aprendizado, pericias de conhecimento são simples, leu assimilou e já foi, tendo em mente que ter 1 em cura por exemplo é saber o básico do básico como “se não parar esse sangramento ele vai morrer” e fica nisso, não se esqueçam também em levar em consideração os conhecimentos básicos para o cenário, em uma campanha atual é claro que todo mundo sabe o básico sobre muita coisa e não tem porque exigir perícia para conhecimentos gerais.

Aprender a cavalgar por exemplo é um pouco mais complicado, pois é uma mecânica incomum para o corpo humano, para controlar os movimentos de um cavalo, os cavaleiros começam por aprender a utilizar a sua voz, as rédeas, as pernas e o peso do corpo para conduzir um cavalo. Considerando um bom tempo para se aprender o básico algo em torno de 1 mês, e então esse tempo seria reduzido caso se possua fatores positivos.

Não vou falar em valores pois não seriam compatíveis de um sistema para outro, mas você pode criar uma regra básica assim:

  • Para valores altos de inteligência para o sistema reduz em 10% do tempo
  • Para valores extremamente altos de inteligência reduz 20% do tempo
  • Caso aja alguma vantagem como gênio ou algo que indique que o pj aprende mais rapidamente reduz 15%
  • Caso haja presença de um mentor reduz em 15%
  • Caso haja livro ou instruções escritas reduz 5%

Em outra oportunidade falarei sobre a possibilidade de ganhar pontos de experiência para aumentar ou aprender habilidades apenas treinando e estudando sem estar em aventura. 250 de XP e até a próxima.

Save

Save

Save

Classe/Nível: Web Designer 5°, Músico 3°, Chef 1°